Essa não é a minha primeira experiência em morar em outro país, mas com certeza é única!

Assim que terminei a faculdade fui morar com a minha irmã e prima ( que já estavam residindo lá), em Boca Raton, Flórida, USA. Foi uma das experiências mais incríveis que vivenciei e de onde carrego uma bagagem de conhecimento até hoje.

Atualmente, revivo essa experiência de morar fora, agora em Bristol, Inglaterra, U.K., em que a única coisa que possui em comum com a época que estive nos Estados Unidos, é o fato de ambos serem países de língua inglesa e estarem fora do Brasil.

Não tem como comparar, devido a diversos fatores como idade que eu tinha na primeira experiência, propósitos de vida, estado civil, cultura dos países, etc. O que posso afirmar dessas oportunidades, é que são de longe, as situações mais especiais que vivi até hoje em minha vida, que me proporcionaram (e me proporcionam) alto conhecimento,  realização pessoal e um aprendizado que realmente mudaram o meu jeito de ser e de ver a vida.

É tão diferente ir a um lugar para  passear e morar lá. É tão complexo tentar descrever o que de fato acontece no dia a dia, porque foge completamente de toda a base cultural, rotina, costumes que sempre tive… é como renascer e começar uma vida nova, porque em absolutamente nada se assemelha com os meus hábitos de vida no Brasil.

É importante entender que cada pessoa vive e enxerga esse tipo de experiência de modo diverso. Então, o meu jeito de avaliar essa fase em minha vida e o que ela representa para mim, é muito diferente de outras pessoas que se encontram na mesma situação que a minha.

O que quero dizer é que  encontrei pessoas do Brasil que residem aqui também, mas que possuem pontos de vista opostos ao meu.  Muitas delas não se adaptaram ao clima, não se enturmaram, não tiveram boas oportunidades/experiências profissionais, não aprenderam a língua, etc., então, tudo é muito relativo, pois por melhor que o país seja, por mais oportunidades que ele lhe ofereça, nem todos conseguem extrair dessas oportunidades algo que as façam felizes. Então, do que adianta estar em um país de primeiro mundo se você não consegue se encontrar nele!?!

Eu, pessoalmente falando,  não tenho palavras para descrever o quão encantada estou com tudo e com todas as oportunidades que o país está me proporcionando. Quero aproveitar  e extrair ao máximo dessa experiência, pelo tempo que ela durar, o melhor que eu puder!

Já fiz bons amigos e me adaptei muito bem a tudo. Os ingleses aqui em Bristol, são muito atenciosos, pacientes e receptivos. Em momento nenhum, senti algum tipo de situação que talvez me deixaria constrangida por ser estrangeira ou não falar fluentemente a língua (ainda). Pelo contrário!

O meu marido e eu viemos para Inglaterra para expandirmos oportunidades profissionais, dominar a língua inglesa e  realizar um sonho pessoal. Não vim por necessidade ou por qualquer outra razão que me forçaria  a viver fora como algum recurso de sobrevivência ou última opção. Então, os motivos que levam cada pessoa a tomar essa decisão de sair do seu país, também, são bastante relevantes para o propósito e aproveitamento, bem como qualidade de vida que a pessoa terá nesse outro lugar.

E acredite, por mais que você pesquise, selecione, e estude sobre essa experiência/oportunidade, realidade, cultura, etc, você só conseguirá enxergar tudo que o país te proporciona quando você estiver inserido nele, morando de fato e tendo uma rotina como um “cidadão”inglês.

Importante saber que infelizmente não basta ter a vontade de morar fora, criar uma expectativa e estar disposto a se mudar, porque, se você não for membro da União Européia (digo, ter cidadania de qualquer país da Europa), os seus sonhos estarão muito distantes.

A Inglaterra (principalmente), está muito rígida atualmente referente a concessão de vistos para estrangeiros, pois se encontra em Processo de definição das normas que serão aplicadas  devido a  sua saída da União Européia, e, se, os próprios residentes de outros países da Europa estão receosos com o seus destinos aqui, imagine para os estrangeiros de outros países, como o Brasil por exemplo?!?

Existem exceções, claro, como pessoas contratadas por empresas e possuem visto de trabalho ou que venham fazer pesquisas em parcerias com universidades daqui, etc. Em casos assim, lógico que se tem o direito de residir aqui, mas se você não se enquadra em situações similares ou não  possua passaporte/ RG de algum país da Europa, infelizmente as chances se limitam (analisando segundo uma realidade atual).

Partindo do princípio que você seja cidadão de algum país da Europa e queira viver essa experiência, as portas estarão abertas para você, e acredite, eles realmente estão dispostos a investir (em quem demonstre interesse), ajudar, estimular e oferecer tudo que você precisa, como saúde, educação e emprego.

E, acredite, a qualidade dos serviços prestados aqui são aquelas que  precisamos pagar no setor privado no Brasil para termos acesso, porém, gratuitamente. Eu diria que até estranho ver que o dinheiro demandado para cada investimento de determinado setor aqui, não é desviado ou vai para outro setor. Simplesmente o programado acontece, as pessoas são satisfeitas porque têm acesso ao que procuram e o melhor de tudo, o dinheiro tem valor.

Um inglês sem curso superior mas que tenha vontade de trabalhar, consegue ter um nível de vida sustentável, com um salário mínimo aqui ( 7,5 libras por hora), sem passar dificuldade nenhuma. Ele consegue sustentar sua família, viver com conforto, ter carro, comida de excelente qualidade (muito barato aqui), ou seja, com pouco, se  consegue ter uma qualidade de vida que, no Brasil,  precisaria estar numa condição financeira muito superior para tentar  se igualar.

Ver que com o mínimo de esforço as pessoas atingem seus objetivos, são felizes, adquirem uma qualidade de vida, faz toda diferença! Aqui, eles não vivem para trabalhar,  mas,  trabalham para viver. Saber que tudo que fazem gera resultado (pois o seu dinheiro tem valor), reflete significativamente num quadro social com resultados animadores, onde há um nível baixo de violência, criminalidade, desemprego, etc.

Agora consigo entender (na prática) o que significa  um país desenvolvido, ou seja,  aquele que chamamos de  primeiro mundo!

Eu, só tenho a agradecer essa oportunidade e, dizer que me sinto privilegiada por poder passar parte da minha vida num lugar como esse, desfrutando dessa experiência mágica e única que é morar na Inglaterra! Não poderia ter escolhido melhor!!!

Seguem algumas fotos que tirei de alguns lugares que refletem minhas primeiras impressões daqui.

Beijo e até o próximo post!

 

One thought on “Morando fora – Primeiras impressões, Bristol U.k.

  1. Querida amiga! Fiquei muito feliz em ler seu relato e saber que está indo tudo bem com sua segunda experiência de residir fora do país. Que seus objetivos sejam alcançados e vc e o Rafael voltem ainda mais realizados. A nós fica a saudade de vc! Bjao

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *